Thursday, December 27, 2007

Há que dizê-lo

Há que dizê-lo que tenho saudades vossas...

Tuesday, December 18, 2007

25




15 de Dezembro, meu aniversário:

Voltou-se à escola primária, às fotografias sem dentes, às festas da escola. A despedida no Salão da Música, t-shirts com um coração para cantarmos a Cinderella do Carlos Paião. Os anúncios na Tv pela época de Natal e as prendas que nuca tivemos.. Sempre quis a máquina de escrever e o traga bolas, mas nada...
As botas de borracha, as férias na casa perto da praia com o ATL. A Tv a preto e branco, sem comando que se sintomizava com um pauzinho.
As tardes na rua a brincar sozinha até alguém aparecer. Os santos populares no mastro do bairro... Como nos entretíamos e estabelecíamos os nossos limites (basicamente uma rua), para cima e para baixo, vezes sem conta a andar de bicicleta. A bolachinha americana que vendiam junto à rede da escola. As picardias entre turmas...os professores... as histórias dos colegas que mudaram, que já não vemos há anos, que têm filhos e são casados...
Relembrou-se tanta coisa...demo-nos conta de casamentos que se avizinham, ajuntamentos e outros sentiram ainda mais a solidão...
Estranho olhar para trás e perceber o que se fez nestes 25 anos...parece-nos tão pouco, aliás tão nada que nem dá para acreditar ou sentir na pele... Eu não sinto pelo menos, e até tenho dificuldades em aceitar os números do meu Bilhete de Identidade...talvez por querer desesperadamente acreditar que sou jovem, talvez por me sentir assim...
Acho que não vale a pena rendermo-nos sempre ao cansaço do corpo e às maleitas da alma, e obrigarmo-nos a sair é a solução para arejar ideias e não deixar encarquilhar o espírito...Já não saio há tanto tempo que já me sinto a cheirar a mofo...Há que tirar o pó, nem que seja sozinha...já lá vai o tempo em que eram precisos dois para dançar....

Saturday, December 15, 2007

Wednesday, December 12, 2007

Saturday, December 08, 2007

Sinto-me só. Somente isso dirão uns, tanto dirão outros. Sozinha comigo, abandonada com tudo o que tenho cá dentro. Ali...
Se pudesse acabava tudo comigo!Amor correspondido precisa-se...Neste Natal tenha a bondade de me auxiliar...

Friday, December 07, 2007

E o vasilhame da semana... parece que sou eu!!!!

Não sei o que se passa esta semana, a sério! Será que todos se lembraram esta semana de descarregar em mim as suas frustrações? Será que se lembraram de aplicar mim o discurso moralista das exigências e das cobranças sem sentido do tempo dos trogloditas? Mas o que é isto? Serei eu algum vasilhame? Porra não sou nenhum banco de esperma! Temos pena mas one night stand não é comigo!!!
E já agora se querem ficar de finca pé num assunto e a fazerem-se de vítimas vão dar uma voltinha ao bilhar grande, respirar fundo, e da próxima disfarcem melhor... e tirem fotografias. Ok?

Wednesday, December 05, 2007

Nadador Salvador precisa-se!Moreno, olhos verdes, musculado, atraente e que tenha um jeito sexy especial a põr protector!Protector solar, claro!

Wednesday, November 21, 2007

De conversas com o Becas

A escrita é um acto de masturbação comigo mesma!
É maioritariamente isso... Um movimento circular dos dedos em volta da vagina ou do teclado onde substituo o prazer do toque do outro pelo meu. É um toque egoísta e narcisista onde o que importa sou eu e o meu orgasmo, que se deixa ali no meio dos lençóis... Que se foda quem lê!!
A escrita é acto de amor, é um acto de cópula com o outro, escrito para ser lido e para ser sentido a dois num ritmo próprio que só os nossos corpos entendem... Descrito para haver a troca, ora eu por cima, ora ele, até ambos nos sentirmos a suar e as coxas a estremecer... É um movimento em remoinho que acontece de dentro para fora e que se deixa adormecer nú em cima dos tapetes da sala!!
A escrita pode sempre ser sexo rápido quando estamos com o período, onde as palavras são deixadas em desalinho para serem lidas mas não interpretadas, para serem preenchidas. Como uma foda. Depois de um banho libertamo-nos do cheiro e do toque do outro. O que ficou do momento foi simplesmente um preservativo cheio de esperma e sangue no fundo do caixote do lixo da cozinha. É papel higiénico. Só se usa uma vez, puxa-se o autoclismo sem olhar para trás, sem se reler.
Ás vezes é ela quem manda, outras vezes sou eu, como numa relação masoquista em que o que seduz é a relação de dominação e de poder do outro...O que dói é o que se quer mais, sempre.
A escrita é masturbação, é amor sem sexo, é sexo sem amor, é narcisista, é inocente, é prostituta... A escrita sou eu.

Tuesday, November 20, 2007

...

Medo...pela primeira vez ganhei alguma coisa. E não, as rifas em que sai sempre alguma coisa não contam!

Sunday, November 18, 2007

Sobreiros, mentiras e uma batida ao javali





hoje acordei cedo, vesti o camuflado e as botas e parti com o meu pai rumo ao cercal do alentejo, a razão? uma batida aos javalis, a minha primeira batida!!!


desde que me conheço que o meu pai adora a caça e foi pegando essa paixão ao resto da família, tanto é que adoro armas, principalmente cães de caça e o meu irmão é ja hoje um caçador.


chegámos aos bombeiros e deparei-me com uma volta ao mundo rural, aos "montanheiros" do baixo alentejo, onde eu era a única mulher!!! sortearam-se as portas (local onde cada caçador fica) e lá fomos nós depois de engolirmos um pequenos almoço à caçador, que é como quem diz fatias de ovos, carne em vinha de alhos, linguiça e chouriço...


após todos os caçadores estarem nas portas e de armas em posição de fogo, largaram cerca de 100 cães que cerro a baixo espantavam ou apanhavam javalis... e ali estávamos nós à espera que a fugir dos cães aparecesse um porco selvagem (o que dá uma adrenalina do caraças e muito medo também, por exemplo, caso se atinja uma porca com crias e ela seja somente ferida ela investe contra o agressor)...


num momento começámos a sentir grunhidos e estalidos nas nossas costas e com medo que aparecesse um porco desvairado (já que eles a fugir levam tudo à frente) subi para um sobreiro, assim não atrapalharia o tiro do meu pai nem correria o risco de ser ferida... poucos instantes depois o meu pai dispara a um navalheiro (um javali muito grande) e vai ver se o atingiu... não é que no momento em que o meu pai estava longe, e eu em cima da àrvore, passam por baixo da àrvore onde estava uma javali com duas crias ja de 1 ano... eu estava quieta para não os assustar e à espera que o meu pai disparasse, ao mesmo tempo esquecia-me de tirar fotos, ou filmar o momento (muito raro) e nem a espigarda comigo tinha, já que seria um abate na certa, dada a curta distância...possas falhámos 4 javalis!!!!!pois o meu pai nem os chegou a ver!


quando decidi finalmente empunhar a carabina, já que o meu pai tinha a caçadeira, na esperança que na volta de regresso os cães trouxessem mais caça, acabou a batida...


pelas 3 voltámos ao local de partida alinharam-se os javalis mortos na caçada, 22, e tiraram-se fotos com as presas.


no almoço que se seguiu, tal como manda a boa maneira alentejana, ou seja, carne, batatas, canja, pão azeitonas, arroz e bebidas até cair para o lado fiquei simplesmente a observar as pessoas, ou seja os caçadores e as suas histórias com acrescentos de valentia... ouvia-se gabarolas, histórias de tiros, de outras caçadas, de javalis que foram errados, dos que foram abatidos hoje e alguém gritava já tocado pelo tinto "eu nunca falhei um javali, todos os tiros que dei acertei-os todos"....


a verdade é que a experiência foi engraçada e no fim todos vinham perguntar à única mulher como tinha sido a caçada (já que não sabiam que não era caçadora mas acompanhante), e eu embuída do espírito afirmava "ainda os vi, mas iam tão rápido que não lhes consegui acertar"




ps- prontos, venham lá os defensores dos animais...

Saturday, November 17, 2007

Protesto

Preciso de me insurgir veementemente em relação à programação matinal da RTP1 nos sábados de manhã! Ao invés dos tradicionais desenhos animados para a miudagem o canal estatal agora passa o noticiário... Por amor de deus e, e, e, e os bonecos (digo com uma lagrimita no canto do olho e a soluçar)...

Sunday, November 11, 2007

S. Martinho


Há dias em que vale a pena deixar o mesmo de sempre e conhecer novos recantos. Subir a montes nunca dantes navegados, onde até existem ovelhas e música do grande Tony. Comer frango com as mãos, batatas fritas de pacote, o cheiro do carvão, a manta aos quadradinhos, o loto e as cartas sentados à chinês.

O som crepitante das castanhas e dos sorrisos de quem se reunia à volta da fogueira a fazer planos para os dias que ainda faltam para chegar. Um sabor bichoso e desagradável e um comer até ficar oval porque é o dia dos dedos "farruscados".

Uma descoberta de umas muralhas no caminho, uns quantos bicos, portas e travessas moradas de silvas, rastos suspeitos e montes de cigarros de quem está à espera. Passo a passo vivemos a discoteca, a casa antiga de moedas, o sanatório, a fábrica, o hotel, um paraíso do paintball... O bando dos 6, sem resolução do caso (para já) mas a investigar...


ps- finalmente sai de casa e cumpri uma das muitas saídas que havia combinado! oh mundo cruel...(é aqui que entra a pose dramática).

Como o campo cansa....

Friday, November 09, 2007

Momentos de embaraço

Já sentiram a sensação de não saberem se uma pessoa que vem ao longe a fazer adeus é para vocês? E não passaram ainda pela sensação de responderem instintivamente e depois apereceberem-se que não é?
E quando um estranho vos sorri e diz olá e afinal é para a pessoa que está exactamente atrás... Faz lembrar os blind dates onde todos os que olham para nós podem ser quem esperamos... dentro da cabeça só ouvem uma voz "será que é?", "será que não?"...
Hoje voltei a sentir essa sensação mas era eu que no meio do trânsito gesticulava um adeus frenético, apitava e quem queria chamar a atenção, não me ligou nenhuma... Mas a Sra o lado respondeu com um sorriso, até segundos depois se aperceber embaraçada, que não me conhecia de lado nenhum....

Friday, November 02, 2007

Fados



Quarta fui ao cinema ver um filme que aguardava com curiosidade. Depois de alguns percalços lá chegámos ao cinema, cheio de pessoas mais velhas, com idade para serem meus pais, sentámo-nos numa brecha e lá fomos ver "Fados"... A questão é que para quem achava que gostava...passou a ter dúvidas ou sobre o gosto pela música ou mesmo sobre o realizador. O cenário era pavoroso, o som estava mau, e algumas cenas (va, praticamente todas) são ridículas!!!Os planos mostram o pior dos cantores, e a bem dizer um grande plano de minutos na cara dos fadistas não abona nem o ser mais perfeito. Ao invés de prestarmos antenção na música fazemo-lo antes nas deficiencias do rosto do "personagem"... Para não falar da mistura da dança contemporânea, que a meu ver não correu nada bem... E o que é aquela mistura com o hip-hop onde o som do Mc é abafado pelo som do beat??? E aquela dança com a Fadista Mariza...RÍDICULO, como diria a Cecilia....

Ai, e eu que ainda acredito em espanhóis....

Saturday, October 20, 2007

5 razões para não usar preservativo

Genial este vídeo

Voltar...


Cada vez que regresso aqui sinto o peso do passado em cada nova raiz apodrecida, em cada novo espaço ganho pelas silvas, em cada centímetro de pó, em cada vidro partido...

Os insectos tomam partido do espaço livre e fazem casa naquilo onde já fui alguém... Onde costumava ir às ervas para os coelhos só existem agora as ervas... Já não existe o chiqueiro para os porcos, os campos de cevada, de batata doce, as laranjeiras em flor... Hoje já nem o chiqueiro existe, só a velha mota do avô, a Famel, meia bicicleta, meia mota...

Nos campos, nas árvores já nem os pássaros moram... na cama onde dormia, só sobram ferros velhos e apodrecidos... Dentro de casa só arcas com trapos velhos...

Cada vez que cá volto só vejo mais morte... A morte de quem lá viveu, a morte de cada laranjeira à sede, a morte do meu passado...

É voltando aqui que tudo o que já fui se materializa... numa cerca que já não cerca nada, numa terra que já não se renova, numa casa que já não é limpa, num entra e sai nos dias da cozedura do pão que já não acontecem, no cheiro a febras nos dias de matança do porco, nas férias de verão com os primos toda suja de terra, de joelhos esfolados, a fazer piqueniques e cabanas debaixo das figueiras... dói cada vez mais cá voltar...

Friday, October 19, 2007

Lisboa rua a rua

O que mais gosto nesta cidade é o facto de muito ainda existir nela para eu descobrir... É ver-me percorrer a avenida da Liberdade e encontrar numa paralela algo que me chama a atenção, e depois outra e outra e outra até chegar a um sítio conhecido... "será que aquilo são as amoreiras??? E o chiado é para a direita ou para a esquerda?". E claro que tudo se torna melhor quando a companhia também tem o gosto pela exploração e curiosidade pelo que pode estar na próxima esquina... É nestes dias que me sinto uma verdadeira turista... e já agora sabiam que há estátuas bem interessantes em Lisboa? o pormenor é que quando vou ao estrangeiro tiro estátuas com todas e aqui nem sabia que elas ali estavam...

Wednesday, October 17, 2007

Quando o prato é demasiado grande...

O problema é que me acostumei a bife do lombo e agora comer fast food pode enganar o estômago por uns momentos mas não me enche as medidas.
ps- nunca imaginei comparar relações a comida

Tuesday, October 16, 2007

O meu quarto

Uma vez escrevi... "sou como os postais que tenho na parede".

A verdade é que agora mudei de casa, e só passei a sentir estar no meu canto no momento em que agarrei no bostick (acho que é assim que se escreve) e colei na parede os postais das cidades onde já estive (ou amigos meus estiveram)...

Descobri que o meu minimalismo se resume a postais e livros, sem eles nada sou...

Ps- é verdade agora moro em odivelas e tenho um quarto só para mim com varanda...depois convido-vos para um lanche :)
Ps2 - Fogo já visitei 23 cidades das quais trouxe postais (faltam 4 das quais não trouxe recuerdo);

O M.

A pessoa não tem tido lá muito tempo para nada é verdade, mas a verdade é que vai ter que haver tempo para contar o meu encontro com o meu antigo colega da primária e do Liceu, o M! Aquele colega com quem passaram anos na escola mas pouco trocaram de palavras e que pouco sabem dele para além do nome? pois bem é o M.... e eu que achava que ele era um bom samaritano, algo perturbado por ter tido uma paralesia enquanto criança que tinha resultado num atrofiamento da perna e do braço direito acho... a verdade é que isso nunca me fez impressão, nem nunca pensei nele como portador de algum tipo de limitação, até o ter "conhecido" no sábado passado... Sim, era sábado à noite e estava a tomar café com as minhas amigas de escola no "Ponto de encontro" (o nome do café/bar). É o sítio mais decente para se sair naquele mísera cidade e claro era o sítio onde nós estávamos, tal como toda a gente!
Sou uma pessoa que adora "morder o ambiente" e assim sendo aquela esplanada em frente ao castelo era o local ideal para rever amigos, e relembrar conhecidos e até velhos desconhecidos.
Já tínhamos notado o ar de abandonado e de melancólico do nosso caro M à porta do bar... o corpo movia-se ao sabor da batida das colunas e da Carlsberg... Já tinha menciondo o facto mas a Liliana R. havia-se recusado a estar com ele na mesma mesa, e eu só repetia "que más", "ele não é assim tão mau!"...
A Maria e a dita Liliana resolveram abandonar o bar e lá fiquei eu e a Liliana C. a observar as gentes da terra... e lá está o assunto voltou a ser o M.... Enchemo-nos de coragem e convidamo-lo a sentar-se....
A conversa começou na escola, afinal parece que ao fim de 7 anos decidiu abandonar o Técnico (até aqui estava a perceber, a intensidade dos cursos e como aquela escola suga energias e tal...), ao passo que diz que o trocou pela Lusófona já que no Técnico está só a nata... Muito preocupadas logo lhe perguntámos como estava em termos de equivalências ao que ele respondeu para termos calma... Até aqui tudo normal achava eu...
Do nada o M. começou a falar alto e a dar murros na mesa a dizer que não havia nenhum trabalho que desse dinheiro e que não estivesse lotado... E gritava e dava murros na mesa "diz-me um que não esteja cheio", dizia ele, ao que nós respondíamos que não podia pensar assim, que podia na mesma ter uma empresa como tantas outras mas diferenciar-se numa das vertentes ( e aqui falava o marketing...). E ele só continuava a gritar "diz uma, diz uma"...!!!!
A conversa mudou de assunto e passou por temas tais como as mulheres, que ele afirma serem muitas (não acreditámos) e ele perguntou se queríamos ver o seu caixote do lixo!!!!
o M. gritou tambem que um bom Engenheiro Civil é aquele que constrói pontes, barragens e estradas, que um Engenheiro é responsável porque tem o nome na Ordem!!!! Mas não é isso que ele quer, mas já registou o nome dele na Auditoria (???? sim não faz sentido)!!! Que os nossos chefes são responsáveis, que não é possível fugir aos impostos e que ninguém o faz porque vivemos todos numa sociedade, sim porque ele é democrata! Tentei dizer-lhe que não é assim, que uma pessoa responsável é mais do que estar inscrito numa Ordem, que é possível fugir aos impostos, e que há quem o faça, apesar de não saber como... aliás que depende do tipo de trabalho que se tem...
Disse que queria ter uma casa pois aquela onde ele vive, que foi comprada pelos pais para ele morar em pleno Parque das Nações não era verdadeiramente dele, já que quando a mãe morrer o pai arranja outra esposa que ficará com a casa... dizer-lhe que não podia estar a pensar assim só me valeu mais um murro na mesa e um "tenho que pensar em tudo"!!!.Ele agora curte um novo DJ que poe música que frita miolos, é uma música cocaínada, mas ele não se mete nisso...Arrepiei-me com aquela pessoa que surgiu do nada à minha frente, alguém amargurado, que tem um punhado de frases feitas que se situam num limiar entre o pessimismo e o idealismo de alguém que viu a luz. O que interessa é parecer que refuta a opinião, mesmo que não faça qualquer lógica. Pareceu-me mesmo desequilibrado devo dizer... digamos que alguém que se aproveita de frases que não as suas é um sociopata... tive medo confesso!!!! muito medo...felizmente o nosso cerebro encarrega-se de "se esquecer" algumas partes, e isso incluiu grande parte da conversa e dos murros na mesa!!!!E já agora um recado para os meus amigos do Técnico...nunca mais digo que estão estranhos!!!! Mas confirma-se, o Técnico "frita" as pessoas!!!

Wednesday, October 10, 2007


Estava a ler o blog do Pedro Ribeiro e lembrei-me de um filme...um filme que me marcou muito, e que ainda espelha a forma como gostaria de estar na vida...em cima da cadeira a tentar ver de outra perspectiva...queria ter tido professores assim...
aliás tive um de EVT, o mais novo professor que já tive, mas não foi por isso que não o respeitámos, aliás era por isso que o admirávamos, pela forma como nos queria fazer olhar para lá do horizonte!
Levou-nos simplesmente para a rua ver pormenores de edifícios, levando-nos de cabeças esticadas a procurar o que nunca tínhamos visto antes, mesmo passando lá todos os dias... Não sei porquê mas ainda hoje sou obececada pelo facto de somente em determinados dias conseguir reparar num pormenor que sempre me escapou, apesar de passar no mesmo sítio todas as manhãs!!!!
Tenho saudades de alguns professores que tive, e às vezes pergunto-me se se lembrarão de mim... se terei sido marcante da forma como eles foram...
Já agora alguém se lembra deste filme?

Saturday, September 29, 2007


Está sempre comigo nesta altura do mês... Mais de noite que de dia, embora surja muitas vezes à janela envidraçada do meu 7º piso.
É nas alturas que quero estar sozinha, que me acompanha sentando-se ao meu lado no cinema, a ocupar um lugar num filme que não quer ver...
Vem contar os meu suspiros, ver os desenhos que fazem os meus pensamentos ilustrados com um leve encolher de ombros por respirar fundo...
É sempre na lua cheia que aparece de mansinho tipo sombra...
É sempre na mesma altura que janto com a melancolia.
Este mês não chegou mais cedo, nem mais tarde, chegou à hora do costume.

Sunday, September 23, 2007

Por falar em infância....

"O jogo em que ganha quem mais bolas papa"

video

Incrível como ainda balanço ao ouvir isto...puros 80's

video

Respostas a Budah



No meu tempo, é verdade, bebia leite com chocolate da escola com bonecos feitos por outros miúdos, como não gostava muito divertia-me mais a rebentá-los com os pés...


No meu tempo a escola não tinha baloiços, tinha uns ferros ferrugentos onde imaginávamos que estavam baloiços...


No meu tempo usavam-se botas de borracha com dois olhinhos...


No meu tempo as tardes eram passadas a ver o alf, o lucky luke, e coleccionávamos os pega-monstros das batatas fritas...


No meu tempo as roupas não condiziam e os ténis não tinham que ser de marca, já que eram pra esfolar e sujar à vontade...


No meu tempo haviam combates de pião aqui na rua, sessões de berlinde, jogo do stop, da mosca, e até o bairro inteiro a esconder-se, só valia em duas ruas...


No meu tempo fazíamos colagens com caixas de iogurte quadradas da Vigor...


No meu tempo os miúdos não eram hiperactivos, eram enérgicos, não eram obesos, tinham apetite...


Na escola fazíamos colecção dos bonecos do Tou no Bollicao, íamos à praça com os pais sábado de manhã e aos domingos à tarde íamos para o jardim andar de bicicleta!


No meu tempo as ruas tinham jardins, não existia telemóvel e quando queríamos ir brincar batíamos à porta dos vizinhos e dizíamos "o Rui pode vir brincar?"...


No meu tempo quando queríamos gravar músicas precisávamos de perícia com o Rec e o Play e sorte para não dizerem as horas a meio...


No meu tempo sonhava em ser grande e poder participar nos Jogos Sem Fronteiras e vía-me na faculdade a participar nos Doutores e Engenheiros...


No meu tempo a escola tinha um jornal que saía todos os meses e onde só os que tinham a letra mais bonita escreviam...eu não era um deles...


No meu tempo queria abraçar o monstro das bolachas, via episódios repetidos da Ana dos Cabelos Ruivos e não tinha DVD...


No meu tempo sempre que se quisesse saber de um assunto era ver-nos dentro da biblioteca entre prateleiras...


No meu tempo a àrea escola era sempre sobre os mesmos assuntos, o Vasco da Gama...


No meu tempo não íamos aos hipermercados, íamos à mercearia...


Sonhava em ter todo o Lego do Mundo!!!!


No meu tempo íamos para a praia no início do verão fazer as aulas de Educação Física... Chovia dentro do Pavilhão, não tínhamos persianas e íamos a pé para a escola!


No meu tempo líamos a SuperJovem e fazíamos colecção dos posters de Jogadores de Futebol, não íamos ás discotecas aos 13....


No meu tempo quando fazíamos anos os nossos amigos vinham comer a nossa casa, não aos restaurantes e havia sempre Panrico, Frango Assado, Gomas, Batatas Fritas, Sumol (em garrafa de vidro), Coca-Cola, rebuçados Floco de Neve...


No meu tempo era apaixonada pelo MacGuyver, pelo Justiceiro e via todos os episódios do ScoobyDoo...


No meu tempo não havia cadeiras de bebé com 4 rodas, protecção de pescoço, ergonómicas e sei lá que mais, os berços eram de ferro e só tínhamos viagem de finalistas no 9º ano....


No meu tempo fazíamos espectáculos para os pais com teatro, música, dança....


No meu tempo...fogo...já foi há tanto tempo....Era feliz...

Thursday, September 20, 2007





Recordo aqueles dias de início de escola... numa daquelas escolas primárias que foram construídas na altura da ditadura...
Sente-se o começo do outono, olha-se de lado para o abandono dos vestidos com mangas em balão, a meia de renda e as hora infindáveis a jogar na rua com o Bairro inteiro, quando não era o paraíso da droga.
As primeiras gotas de chuva que deixavam o pátio com um cheiro intenso a terra molhada. As minhas sandes com queijo ou fiambre, uma banana e um Caprisone..ou quem sabe um yogurte da Yop!
É o tempo de reecontrar os colegas e mostrar as malas novas, as lancheiras novas, os lápis novos, as canetas que tinham cheiro... Adorava a ida à papelaria Coelho e os cheiros a cadernos novos, a livros por abrir... chegava a casa e abria-os com cuidado para absorver o momento de estreia de cada um... que vontade de os ler de uma ponta a outra e de fazer os exercícios todos... É tempo de regressar ao ATL e às aulas de costura, de colagens, de jogos (adorava o supermercado mas principalmente a carpintaria e o cheiro a cola de madeira, a serradura...).
Lembro-me daqueles sapatos de verniz que me ofereceste...eram pretos com um laço na frente... eram brilhantes, sem um risco... compraste-os na feira porque tos pedi... porque sempre quis ter uns... Lembro-me de andar na rua e estar sempre a olhar para os pés, de estar sempre a tentar mostra-los a alguém e receber um "que sapatos tão bonitos!" ao que eu respondia sem os dentes da frente "sim, foi o Vô que mos deu!"

Tuesday, September 18, 2007

How much am i worth? será que é uma boa questão?

Há que salientar que isto é o que eu valho na américa!!!! e que há muitas questões avaliadas que me causam espécie... tal como aquele teste de qi que é em forma de proverbios em inglês...assim sendo sou uma naba, por isso assumi o meu qi como sendo 100!!! e falar mais do que 1 língua não da bónus???? discordo...

Sunday, September 16, 2007

Arrepios



Tenho ido algumas vezes ao cinema de forma a poder aproveitar os ultimos dias sem aulas e do que já vi há que dizer:
- Death Proof do Tarantino é absolutamente genial!!!!Volta o génio de Pulp Fiction e Kill Bill e os seus diálogos fabulosos... aí está uma pessoa com quem gostaria de beber um café!!!
- Hairspray com o Travolta a fazer de mulher "gigante", é um musical muito divertido e light para quem queira sair do cinema com energia e um sorriso.
- Declaro-vos marido e marido é outra comédia, com o Adam Sandler com umas cenas muito divertidas...outro filme light para quem se queira divertir.

- A Mighty Heart com a Angelina Jolie é um drama baseado no desaparecimento de um jornalista americano no Paquistão. O filme mostra-nos um bocado da realidade do país e também uma Angelina Jolie extraordinária!

Apesar da minha gripe estar a começar a avançar no terreno e isso me dar um sono desgraçado, arrepiei-me muito numa cena do filme em que ela tem a confirmação de que o marido foi morto por extremistas, e ainda mais, foi decapitado... de certo que se lembram de ja ter visto imagens na televisão com o vídeo... recomendo vivamente!Não o vídeo do decapitamento mas o filme!!!

E por falar em arrepio, não poderia deixar em branco o enorme arrepio que senti ao ouvir e ver Os Lobos, a selecção portuguesa de raguebi no mundial a cantar A Portuguesa... Somos a única selecção amadora em competição mas se quiserem falar de amor à camisola, de lutar até comer a relva, de orgulho de ser português por envergar a camisola das quinas, falem com eles... Os meus parabéns e as minhas reverências!

Saturday, September 15, 2007

Cortes na pele

Pelos relacionamentos suspiramos, sofremos, ansiamos, não queremos, fingimos que não queremos, queremos sofregamente, já quisemos muito, alguma coisa…
Sonhamos que vão ser perfeitos, ou já não acreditamos, ou até caem-nos dos céus aos trambolhões mesmo depois de termos jurado a nós mesmos que já não queríamos mais…
O problema, é que cada relacionamento é uma nova ferida que se abre.
Conhecemos alguém e isso significa mais um golpe no braço (na perna, nos rins…), que fica ali a escorrer a céu aberto como se fosse um esgoto…gota a gota ou de enxurrada! Quando o sonho acaba, os planos falham e o sufocamento aparece…
Há que fechar a ferida!
Podemos primeiramente ignorá-la, não acreditar que chegou a hora do remendo, querer arrancá-la com uma faca em brasa! Querer fazer um rasgo ainda maior! Querer enfiar as unhas sujas pelas goelas do outro que nos deixou ali a sangrar e arrancar-lhe as entranhas para saber como nos sentimos…
Depois ficamos ali de olhos esbugalhados e vidrados a olhar para aquele pedaço de sangue e pus que escorre do que somos. Sentimos o pulsar da raiva! Da raiva de nós mesmos (que tínhamos prometido esperar, que não queríamos mais, que nos iludimos, que nos adiámos!!!), do outro, de tudo…
Há quem expluda esta raiva toda no resto do mundo, há quem a coma às refeições, há quem a tome em comprimidos de 2 em 2 horas até a febre baixar…
Quando o remendo é finalmente cozido com linha, atado com cordas da roupa, fechado com agrafes, fita-cola, preso com molas, com cola Pica Pau (depois de já ter sido aberta algumas vezes, mal curada de outras), deixa sempre mazelas, cicatrizes, reumático, artroses, pontadas…
Por mais tempo que passe, o corte permanece…
O pior disto tudo é que cada nova relação tem um peso acrescido, o peso da relação anterior…
A próxima pessoa é então presenteada com todas as minhas cicatrizes, cortes, pontadas e queixas de todas as outras relações anteriores…
Nunca mais se recomeça tudo de novo…
Para além da primeira vez nunca mais nada é ingénuo, puro, naif, simples… Cada gesto é carregado de prefixos das cicatrizes do antigamente e subtraído ao sentimento pelo outro…
Somos todos uma manta de retalhos!.. Caminhamos mais pesados a cada novo corte…
Somos um poço de cicatrizes…
Somos um EU mais pequenino a cada novo TU que desaparece…


Que o próximo TU traga um novo objecto cortante (pois não se aceitam repetições), uma bebida e se acostume ao espectro dos outros como companhia…

Friday, September 07, 2007

Kopenhavn, Dresden, Praha, Nuremberg, München, Füssen, Salzburg, Wien, Budapest, Krakow, Oswiecim, Warshaw, Potsdam, Berlin

"faço-me à estrada, não penso em mais nada o que será de mim?


uma história em que o princípio mais parecia o fim.

na mala do carro só levo a guitarra e as letras que escrever...


vão falar desta viagem que não vou esquecer

vou partir, sem demora, vou partir.



parto sem saber, sem saber se sou capaz


deixo tudo para trás e vou para longe...


para longe...



se lá vou ficar o destino irá dizer, não há tempo a perder e vou para longe, para longe, para longe...


a meio do caminho já sinto saudades de quem lá deixei.. dou por mim aqui sozinho e assim fiquei...

ao fim de alguns anos começo a perceber
que é difícil estar tão longe de quem nos viu nascer


vou voltar sem demora, vou voltar...


parto sem saber, sem saber se sou capaz e vou para longe, para longe



se lá vou ficar o destino irá dizer. não há tempo a perder e vou para longe, para longe



para longe, para longe, para longe"

Interfotos....intersuspiros, intermemórias...

Não se trata de meter nojo a ninguém mas sim de partilhar alguns momentos do interrail que ficaram imortalizados nas fotos que tirámos... com pose e sem pose... a gostar mais ou menos da chuva, do frio, do calor tórrido, da comida, do comboio, das pessoas, de nós mesmas... Para além das fotos orgulho-me de ter resistido à preguiça e ter escrito sobre cada dia que passámos com a casa na mochila!!! ainda não o li, mas sei que quando o fizer vou encontrar tanta coisa que já me tinha esquecido, já que na memória e na pele ficam apenas os resquícios de cada cidade, como que imersos num nevoeiro denso...
a acompanhar as fotos a letra de uma música, a música do nosso interrail! tínhamos andado à procura dela há alguns dias, mas só na subida para o castelo das maravilhas a encontrámos...a ela e à melancolia...

Thursday, August 30, 2007

Interrail the end

varsóvia surpreendeu-nos com um gigante palacio da cultura e uma chuva de relâmpagos como nunca vi na vida!!!sou fã incondicional das manifestações do meu amigo Zeus e ver aqueles relâmpagos a iluminar o céu foi fabuloso, como recepção. partilhámos o quarto com holandeses loucos que diziam trabalhar numa sex shop e ter bolochas de droga, o pior é que as inglesas acreditavam!!!! quanto à cidade, pena a destruição e as obras ainda muito visíveis, mas não podemos perder a parte velha e comparar com a parte nova da cidade!!!!
partimos rumo à última cidade, Berlim, outrora centro e coracao da 3ª guerra mundial!
sim as gruas são uma marca da cidade, os sinais são diferentes na parte este e leste, o muro está cheio de pastilha elástica, os alemães são gigantes a comparar comigo, mas são os mais bem parecidos de todos os países que visitámos... o Reichstag mete impressão e vale mesmo a pena percorrer a Unter den linden a pé e sem pressas!!!! a fonte junto à praça Marx e Engels deve ser visitada, esperemos que sem a companhia de abelhas ou mosquitos (que abundam na cidade!!!!!). Foi lá que lavei os dentes na rua e que fiz de orangotango e pombo junto ao parque perto da estátua da vitória!!!! é verdade, nem perguntem!!!!!
sim, conheci potsdam, apanhei uma molha e regressei!!!!as estações de comboio parecem um centro comercial e não queiram ficar fechados fora do quarto somente enrolados numa toalhinha de banho!!!!! foi Berlim!!!!
tantas são as histórias que trouxemos na bagagem, bem mais do que presentes, aliás quase nenhuns, nem para nós mesmas!!!!
no regresso, depois de uma noitada, uma queda quase mortal na discoteca, um pássaro entrou para o motor do avião quando já quase descolávamos, e o pior, apesar da espera e do pequeno almoço, foram mesmo os calafrios causados pelo piloto do 2º avião....
em lisboa alguns amigos esperavam-nos com um cartaz gigante que dizia "bem vindas inter-imundas"!!! algo a recordar...
alem das memórias, das fotos e das histórias é o cansaço que ainda nos pesa nos ombros....

Tuesday, August 21, 2007

a continuacao da saga...

nuremberga deu-nos chuva como na noite da chegada, e a descoberta de uma cidade medieval quase encantada, e cantar foi o que fizemos no topo do agnifico castelo. seguiu-se munique e mais chuva e muitos casais a namorar no parque...descobrimos o mundo da cerveja alema onde se bebe com uns calcoes pequeninos e uns suspensorios enquanto se danca, canta e se come pratos gigantes...e o que e o jardim das ninfas meus amigos....a residencia de verao dos monarcas!!e apaixonante o palacio e aquele jardim cheio de recantos magicos e lagos e cisnes...faz suspirar... e aqui nos suspiros comeca o problema... resolvemos ir ver o castelo de neuschwanstein, o castelo que inspirou muitos dos contos de fadas... e o que e aquele castelo!!!!!sim, fica no topo de uma montanha de floresta verde, com uma vista extraordinaria, onde se ouve o rugir da cascata para dentro do coracao da montanha, com uma vista para uns lagos gigantes que espelham o horizonte... e aquela floresta que faz lembrar sintra, faz dar tambem largas a imaginacao e aos suspiros.... muitos suspiros. a vila, fussen merece sem duvida uma visita!!!a serio!!!!
depois de munique, salzburgo na austria!a chuva comecou a abrandar e la partimos a descoberta da terra do Sr Mozart! fomos a 1a e a 2a casa dele e sem duvida so a ultima vale a pena, pois da-nos uma visao da vida do compositor. mas sabem o que tambem e de salzburgo? o filme musica no coracao!!!!e verdade a terra da sra freira maria e dos von trapp, ha excursoes e tudo e a nossa hostal transmitia todos os dias o filme...dispensamos essa parte!mas vimos o centro da cidade, e como e agradavel estar junto ao rio simplesmente a olhar quem passa.... viena foi o passo seguinte!e ate agora foi a minha maior desilusao, para alem dos milhares de turistas, e pelo facto de ja ter visto jardins tao apaixonantes o Belvedere por exemplo pareceu-me descuidado e mortico...sim e verdade que aqueles edificios, como a opera ou o Hofburg metem respeito e admiracao, mas a cidade por isso me pareceu snob e de nariz demasiado empinado...distante, altiva... aproximamo-nos mais (eu e a cidade) quando disfrutamos juntas um concerto em frente a Rathaus numa noite de varao...e meus amigos o edificio do Parlamento deixa qualquer um de queixo caido...
Budapeste foi a seguir, a capital da Hungria. vale a pena ir a Buda ver o castelo que parece feito de areia, subir ao topo da colina Gellert e la esta experimentar os banhos...eu ofereci a minha pessoa um momento zen e fiz banhos turcos, jactos de agua, massagens e senti-me nas nuvens...vale mesmo a pena!!!!e la esta o parlamento leva-nos ate londres e a dom e das mais bonitas que ja vi, ao contrario da de Viena que fazia lembrar uma arrecadacao!ah, esquecam o mais possivel os tranportes publicos!!!e evitem como fazer como eu e levarem uma multa por andarem a borla!
Foi tempo de ir para Cracovia na Polonia e de ter a viagem mais assustadora da minha vida!!!!10 horas de comboio, numa carruagem que tivemos que fechar com os cordoes dos tenis, pois as pessoas tinham ar de refugiados de guerra que nos iam esfaquear a qualquer momento!!!tive medo, muito medo!!!alem do mais fomos interrompidas mais de 6 vezes pelos guardas da fronteira e pelos picas...alem do medo dos assaltos ajudou imenso a dormir ainda menos... mas a verdade e que cracovia e interessante de se vistar, apesar de ter saido da guerra ha menos tempo do que muitos dos sitios que ja visitamos por causa da invasao sovietica...e a verdade e que a hostal era a casa que queria ter, que poucos falam ingles mas que se esforcam por nos ajudar.a market square e encantadora e da vontade, de como gosto beber cafe de manha enquanto leio um livro demoradamente....
a maior expereiencia foi auschwitz, o campo de concentracao... e arrepiante, da um no na garganta, e uma atmosfera pesada...cada sapato na pilha tem uma historia de quem outrora o ocupou e sonhou em morrer de outra forma que nao num "banho" de gaz...os bocados de cabelo, os corredores de fotografias dos que esperavam na fila para morrer...as camaras de gaz...quase tudo esta de pe e de fora o sitio parece uma colonia de ferias, a parte do arame farpado!mas e denso, deixa-nos sem palavras...a viver mais do que a contar!
partimos hoje para varsovia, a capital do pais e nao faco a minima ideia do que nos espera, a seguir temos berlim e depois casa...
esta viagem ja pareceu longe, enorme, deliciosa mas agora parece-me tao pouca...e como um bolo bom mas pequenino, tipo pastel de nata!

Wednesday, August 08, 2007

Interrail

Nuremberga 9 da manha numa pousada com o nome de lett'm sleep
neste momento ja estivemos em copenhaga...uma cidade grande, cheia de avenidas enormes, de pessoas que falam ingles, frances, espanhol e italiano na perfeicao mas suja como vi poucas vezes..aqui temos duvidas que se impoem:
- eles trabalham?qual a taxa de natalidade?sao catolicos?
segui-se dresden uma cidade medieval apinhada de turistas...o centro vale mesmo a pena, mas tivemos por estas bandas um Sr chamado Hitler que fez uma guerra que destruiu muitos dos edificios ainda em reconstrucao...pena...mas vale a pena a vista da varanda da europa.
depois agarramos na mochila e seguimos para Praga e aqui...meus amigos a cidade e de morrer de paixao...pena as pessoas...a sujidade da cidade esta mesmo nos locais, que sao agressivos, dificeis de compreender e de nos fazermos compreender...ate me valeu um pontape...mas sem duvida um sitio a visitar...nao e a toa que e conhecida como o coracao da europa...
agora temos nuremberga que pelo menos vai dar-nos chuva....e ja nos valeu uma caminhada quase heroica...de mochilas as costas...
ps- a falta de acentos prende-se com estas letras e teclados esquisitos que esta gente que calca sandalias com meias usa...

Friday, July 27, 2007

MY VOYAGE

Estou feliz e estou exausta... Para quem me conhece sabe que são as viagens que me aceleram o ritmo cardíaco... isso e a corrida, ou uma louca noite de amor, ou gritar no carro a plenos pulmões, ou ouvir música aos gritos nos headphones... mas é o lufa lufa dos transportes, o cheiro a comidas estranhas, a língua nativa que soa a nada e coisa nenhuma, o mapa que se perde, as indicações que não se compreende, as mochilas que pesam... é a aventura de não saber onde está a próxima descoberta... é o antes, o durante e o depois... o ouvir um concerto de jazz num parque, é os homens estátua, uma ópera em Viena, Um banho em Budapeste, são os mil castelos, museus, restaurantes, praças e avenidas...e os cafés que ficarão por beber por causa do preço e do sabor..
Planeei esta viagem durante muito tempo, e ao mesmo tempo poucas são as coisas certas... Espero trazer um olhar novo e rejuvesnecido com a cultura do 1º Mundo.... Não há nada como a Europa!!!!
Não há fome que não dê em fartura, não há ausência que não dê em saudades, não há beleza que não se extinga, não há vontade que não se consuma....

Monday, July 23, 2007

há quem...

"Há quem procure a perfeição do caminho, outros a singularidade dos detalhes"

Sunday, July 22, 2007

Footsbarn Theatre



Ontem fui ao teatro. Uma vez que estou em casa (sto andré) decidi aproveitar as iniciativas culturais da cidade e fui ver os Footsbarn Theatre . Esta é uma companhia de teatro itenerante das mais famosas do mundo. O corpo dos actores revela um trabalho baseado nos fantoches e o cenário, o recinto (uma tenda gigante que eles transportam com eles) e o guarda-roupa estavam simplesmente geniais. O facto de ser um Shakespeare em inglês acarcaico dito com pronuncia alemã, japonesa, e outras não identificadas é que não ajudou muito. Mas como o teatro é mais do que se diz e do que se faz, fez com que a história de "sonho de uma noite de verão" fosse captada e que me risse diversas vezes com aqueles caricatos personagens.

Tudo isto fez-me pensar num sonho que tive há muito...ser meio cigana, andar a percorrer o mundo com a casa as costas e levar a minha arte a toda a gente.

Há que destacar as máscaras brilhantes, o suporte físico dos personagens e a tentativa de falar português em muitas ocasiões da narrativa.

Se passar aí por perto de vocês aconselho vivamente a ver! Adorei o personagem do actor que é Piramus... apesar de se babar imenso e de se cuspir estava genialmente bem suportado. Excelente iniciativa da AJAGATO, o grupo de teatro de Sto Andre.